Engasgante,
Sofrida,
Amante!


A palavra engasgada
Na garganta sufocante,
Quer sair, está pronta...
Meio tonta,
Mas entalada
Na essência do Ser.


É isso!!!
Ser!!!
Escrever é ser
É viver.
É vencer a palavra
É buscar a vida
E é também morrer...


EMENTA
A Língua, mais que liberdade, necessita de sabor e é a Literatura que cumpre o papel de alimentar a linguagem. E “na ordem do saber, para que as coisas se tornem o que são, o que foram, é necessário esse ingrediente, o sal das palavras. É esse gosto das palavras que faz o saber profundo, fecundo". (Barthes, 2000, p.21). Barthes atenta para a liberdade de criação de quem escreve, compara a língua ao teatro (2000 p. 28), mais especificamente ao drama (do grego que significa ato, ação).


Portanto, não se pode negar que “a língua, na sua modalidade literária, fecunda neologismos, signos, símbolos; mistura prosa e poesia para parir idéias de forma autêntica, seduzindo e dando prazer não só a quem escreve como a quem lê” (Cíntia Barreto).


Escrever consiste, em escrever contra, sobre, a favor, ou, mais simplesmente, a partir de outros textos. Não há escrita sem polêmica, retomada, citação, alusão, etc. Ninguém escreve a partir do nada, ou a partir de si mesmo (UNICAMP, 2001).


O melhor estímulo para a reflexão é a leitura. E reflexão é ingrediente primordial para escrever. É o processo intrigante: ler o que os outros já escreveram a partir de outras leituras e assim, indefinidamente, pois “a escrita está impregnada de outras escritas, ou seja, a leitura é dialogo direto ou indireto com outras leituras. A leitura é um diálogo velado com o outro”.(Cíntia Barreto,) A leitura deve ser útil, deve aproximar aquele que lê daquele que escreve e deve propiciar, antes de qualquer coisa, a reflexão. Portanto, há de se reforçar o que Othon Moacyr Garcia disse: “aprender a escrever é aprender a pensar”.


A oficina será um momento de reflexão sobre o autor, o ato de criar, de produzir fantasia, de encantar com o elemento mágico da escrita. Os participantes terão a oportunidade de conhecer o processo de criação por que passa o escritor e entrar em contato com a personalidade de quem escreve através da leitura. Além de perceber a forma como o escritor concebe o mundo que o cerca e sobre ele age.


OBJETIVOS
Levar professores, pesquisadores da Literatura Infantil, contadores de Histórias e autores a penetrar no mundo íntimo do escritor e da escrita, da criação, pois todos têm muitos livros dentro de si. Compreender o processo de escrever, seus estágios e habilidades. Apresentar estratégias e oportunidades de tempo e de espaço onde os participantes possam se reunir e criar dinâmicas para o fortalecimento das relações sócio –afetivas e de dimensão íntima na construção da história deles e dos seus alunos.


CONTEÚDO

  • Escrever como o pensar de boa qualidade;
  • Acuidade do pensamento: saborear uma idéia até que ela se aposse daquele que escreve;
  • Perspectivas múltiplas: dançar com a idéia;
  • Dar forma à idéia que cresce com as mentes que a semearam;
  • Viver com a ambigüidade, a confusão e a incerteza da idéia;
  • Prazeres físicos e semânticos do escrever;
  • Ser autor de uma vida, um livro, um poema, uma história...
  • Uma história se conta, não se explica”. (Jorge Amado);
  • “Escrever é sacudir o sentido do mundo” (Roland Barthes);
  • Contar histórias, criar histórias: aprendizagem pelo prazer;
  • Aprimoramento das relações sócio-afetivas através da escrita;
  • Escrever: atingir o imaginário, a fantasia, a pessoa – uma percepção holística;
  • Histórias: metáforas da vida;
  • Imaginação criativa fantasia, magia, mito, o simbólico e arquétipos.


ESTRATÉGIAS
A oficina será realizada utilizando-se de variadas estratégias, como: dinâmicas grupais, técnicas lúdicas, exercícios de Biodança e de Programação Neurolinguística, como também exercícios de leitura e criação, oral e escrita.


PUBILCO ALVO
Professores de Literatura, contadores de histórias, autores e pesquisadores da Literatura infantil, agentes de leitura, artistas e público adulto em geral.


CARGA HORÁRIA: 16 horas.


DOCENTE MAGDA LUCIA VILAS-BOAS

Formada em Letras pela Faculdade de Filosofia Santo Tomás de Aquino de Uberaba/MG. Pós-graduada em Psicologia Organizacional pela UNIFRAN – Franca/SP. Curso de Mestrado em Comunicação e Semiótica pela PUC São Paulo/SP. Curso de Coaching Express Condor Blanco pela AIPC – Associação Internacional dos Profissionais de Coaching. Mestranda em Pedagogia Empresarial pela Winsconsin International University/USA.


HABILIDADES PARA FORMAÇÃO

  • Practitioner em Programação Neurolingüística;
  • Relaxamento Psicossomático;
  • Treinamento Autógeno;
  • Terapias Complementares;
  • Cursos, Palestras, Workshops e outros eventos;
  • Treinamentos e Consultoria Empresarial;
  • Treinamentos e Consultoria Educacional;
  • Professora de vários módulos de Graduação e Pós-Graduação;
  • Life coaching, Coaching executive e coaching de talentos.


EXPERIÊNCIA

  • Vinte (20) anos de experiência;
  • Mais de mil e duzentos (1.200) trabalhos realizados no país e fora do país.


AUTORA DE VÁRIAS OBRAS

  • VILAS-BOAS, Magda. Relaxamento com Crianças. 15a. ed. – Traduzido para a Língua Espanhola na Argentina - Ejercícios de Relaxación com Niños. Argentina: Edições Loyola.
  • VILAS-BOAS, Magda. Terceira Idade: Uma Experiência de Amor. 6a. ed. São Paulo/SP: Edições Paulinas.1995.
  • VILAS-BOAS, Magda. Resgatando a Vida: Guia de Apoio ao Processo de Cura. Uberaba/MG: Editora Vitória.2003.
  • VILAS-BOAS, Magda. Crianciranda: Terapia Corporal com Crianças. São Paulo: Editora Loyola.1994.
  • VILAS-BOAS, Magda. Atraindo Realizações. CD inspirado no filme: O Segredo. 2008.
  • VILAS-BOAS, Magda. Um Dedinho de Deus na Terra: Crônicas a Um Pai.Campinas/SP: Editora Komedi, 2009.


CURRÍCULO NA PLATAFORMA LATTES
http://lattes.cnpq.br/7756770179048738

BIBLIOGRAFIA

  • BARTHES, Roland. Aula. 8. ed. São Paulo: Cultrix, 2000. _______________. O prazer do texto. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.
  • BLOOM, Harold. Como e por que ler. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.
  • PRADO, J. & CONDINI, P. (Orgs.). A formação do leitor: pontos de vista. Rio de Janeiro: Argus, 1999, p. 71-3
  • GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna. 15. ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.
  • CAMPOS, Haroldo de. A Operação do Texto.São Paulo: Perspectiva, 1976. Coleção Debates – Crítica.
  • MONEGAL, Emir R. Borges: Uma Poética da Leitura. São Paulo: Perspectiva, 1980.
  • CARVALHO, Bárbara Vasconcelos. A Literatura Infantil. 2.ed. São Paulo: Edart, 1982.
  • BRAGA, Maria Lucia Santaella. Produção de Linguagem e Ideologia. São Paulo: Cortez Editora, 1980.